Referências bibliográficas

ALMEIDA, G. P. A produção de textos nas séries iniciais: desenvolvendo as competências da escrita. Rio de Janeiro: Wak, 2005.

BAJOUR, Cecília. Ouvir nas entrelinhas: o valor da escuta nas práticas de leitura. São Paulo: Pulo do Gato, 2012.

BARBOSA, Thais et al. (Orgs.). Medidas objetivas de fluência de leitura e o processo de compreensão. In: Temas em dislexia. Ribeirão Preto: Book Toy, 2009.

BATISTA, Antônio A. Gomes. Alfabetização, leitura e ensino de Português: desafios e perspectivas curriculares. Revista Contemporânea de Educação. Rio de Janeiro: UFRJ, 2011. Disponível em: <http://plataformadoletramento.org.br/acervo-para-aprofundar/515/artigo-discute-mudancas-no-curriculo-de-alfabetizacao-e-no-ensino-de-portugues.html>. Acesso em: maio 2014.

BROOKE, Nigel et al. Modelagem de crescimento da aprendizagem nos anos iniciais com dados longitudinais da pesquisa Geres. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/ep/article/view/77060>.

CANDIDO, Antonio. Vários escritos. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2004.

CARVALHO, Maria Angélica F. de; MENDONÇA, Rosa Helena. Práticas de leitura e escrita. Brasília: Salto para o Futuro/TV Escola/Seed/MEC, [s.d.]

CENTRO de Alfabetização, Leitura e Escrita (Ceale). Avaliação diagnóstica de alfabetização, 2005. v. 3. (Coleção Instrumentos da Alfabetização.)

COLOMBER, Teresa. Andar entre livros: a leitura literária na escola. São Paulo: Global, 2007.

GOMES, F. F. L.; SOUZA, J. M. R. Os caminhos para o ensino produtivo de língua portuguesa. V Semana de Letras – Linguagem e entrechoques culturais - Língua, literatura e cultura brasileira. Catolé do Rocha (PB), 2010. Disponível em: <http://entrechoques.ccha.uepb.edu.br/2010/GT0402.doc>.

KLEIMAN, Ângela.  Oficina de leitura: teoria & prática. 7. ed. Campinas: Pontes, 2000.

KRAMMER, Sonia (Org.). Nos murais da escola: leituras, interações e práticas de alfabetização. In: Retratos de um desafio: crianças e adultos na Educação Infantil. São Paulo: Ática, 2009.

KUHN, R. Melanie; RASINSKI, Timothy. Best practices in fluency instruction. In: GAMBRELL, Linda B. et al. Best Practices in Literacy Instruction. Nova York: The Guilford Press, 2007. p. 214. (Trad. Antônio Gomes Batista)

LERNER, Delia. É possível ler na escola? Programa de Formação de Professores Alfabetizadores: coletânea de textos, módulo 2. Brasília: MEC, 2001.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Compreensão textual como trabalho criativo. In: Acervo Digital Unesp, 2011. Disponível em: <http://acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/40358/3/01d17t07.pdf>

MINAS GERAIS (Estado). Secretaria de Educação. Caderno de boas práticas dos professores para ensino do uso da biblioteca das escolas estaduais de Minas Gerais. Programa Alfabetização no Tempo Certo. Belo Horizonte, 2010.

MONTEIRO, Sara Mourão; SOARES, Magda. Processos cognitivos na leitura inicial: relação entre estratégias de reconhecimento de palavras e alfabetização. Revista Educação e Pesquisa. São Paulo, Faculdade de Educação da USP, 2014. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/ep/issue/view/5912>.

NA PONTA do Lápis. São Paulo, ano IX, n. 2, ago. 2013.

NAVAS, Ana Luiza G. P. e outros. Avanços no conhecimento do processamento da fluência em leitura: da palavra ao texto. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 14(3):553-9, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rsbf/v14n4/a21v14n4.pdf>.

NÓBREGA, Maria José. O tempo da leitura e a organização das sequências didáticas. In: Referencial de expectativas para o desenvolvimento da competência leitora e escritora no ciclo II do Ensino Fundamental. São Paulo: SME/DOT, 2006.

______ "De leitores e asas". In: Projeto Compartilhar Leituras - Ensino Fundamental I e II. (Catálogos.) São Paulo: Moderna, s/d., p. 10 e 11.

PEREIRA, Alexandre Barbosa. Letramentos e culturas juvenis: tecnologias, experiências sociais contemporâneas e as diferentes leituras do mundo. São Paulo: Plataforma do Letramento, fev. 2014. Disponível em: <http://plataformadoletramento.org.br/acervo-para-aprofundar/473/letramentos-e-culturas-juvenis-tecnologias-experiencias-sociais-e-as-diferentes-leituras-do-mundo.html>.

PETIT, Michèle. Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva. 2.ed. São Paulo: Ed. 34, 2009.

PINTO, Joana Cecilia B. R.; NAVAS, Ana Luiza G. P. Efeitos da estimulação da influência de leitura com ênfase na prosódia. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 2011;23(1):21-6. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/jsbf/v23n1/v23n1a07.pdf>.

QUEIRÓS, Bartolomeu Campos de. A infância e o livro. In: Biblioteca Virtual Ecofuturo. Disponível em: <http://bibliotecavirtual.ecofuturo.org.br/files?path=content/pdf/abd875fa4d78e9d49c65a92ccf486d5992b62141.pdf>.

ROJO, Roxane. A prática de linguagem em sala de aula: praticando os PCNs. São Paulo/Campinas: Educ/Mercado de Letras, 2000.

______. Letramento e capacidades de leitura para a cidadania. In: FREITAS, M. T. A.; COSTA, S. R. (Org.). Leitura e escrita na formação de professores. São Paulo: Musa/UFJF/Inep-Comped, 2002. Disponível em: http://www.sistemas.ufrn.br/shared/verArquivo?idArquivo=1550458&key=1f4fb3c1553ab32346e28dba83b885af>. Acesso em: abr. 2014.

SILVA, Cristina V. da; MARTINS, Marta; CAVALCANTI, Joana. Ler em família, ler na escola, ler na biblioteca: boas práticas. Disponível em: <http://repositorio.esepf.pt/bitstream/handle/10000/663/LerCcompreensaoLerfruicao_TR.pdf?sequence=1>.

SMITH, Frank. Compreendendo a leitura: uma análise psicolinguística da leitura e do aprende a ler. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. São Paulo: Artmed, 1998.

SUASSUNA, Lívia. Ensino de língua portuguesa: uma abordagem pragmática. Campinas: Papirus., 1995.

VERSIANI, Daniela B.; YUNES, Eliana; CARVALHO, Gilda. Manual de reflexões sobre boas práticas de leitura. São Paulo: Ed. Unesp, 2012.

Lendo o Gráfico

O gráfico indica desigualdade inicial entre estudantes das redes
pública e privada. Apesar disso, os pesquisadores consideram que,
ao final do 1º ano, os alunos avaliados tinham adquirido
habilidades de leitura consideradas adequadas para sua idade.

No entanto, a pesquisa mostra desaceleração da aprendizagem
de Língua Portuguesa ao final do 2º ano (terceira onda)
em ambos os grupos.

Para Aprofundar

Alfabetização é um continuo...

Segundo o pesquisador Antonio Gomes Batista (2011), "Embora o
processo de aprender a ler e escrever seja um contínuo organizado
em torno de uma progressiva ampliação da familiaridade com a
cultura escrita [...], bem como de um progressivo domínio de
conhecimentos e habilidades que permitem participar dessa cultura
com cada vez maior autonomia, para fins pedagógicos é importante definir momentos ou etapas desse contínuo".

Você sabia...

...que as ideias e conceitos sobre alfabetização e leitura
mudaram muito ao longo de nossa história?
Viaje por essas diferentes concepções no infográfico
“Das primeiras letras aos multiletramentos”